• Ícone do Facebook Branco
  • Branca Ícone Instagram

Receba as nossas atualizações

© 2019 por ViverOeiras ® 

  • Viver Oeiras

Ocean Campus a nova frente ribeirinha do Dafundo à Cruz Quebrada

Atualizado: 20 de Nov de 2019


Depois da frente oriental (Parque das Nações), é agora a vez da zona ribeirinha ocidental de Lisboa, entre Pedrouços (junto à Fundação Champalimaud) e a Cruz Quebrada (Oeiras), ser alvo de um grande projeto de requalificação.


Em causa está um investimento público-privado na ordem dos 300 milhões de euros, a realizar até 2030, que contemplará a construção de uma marina, de um centro de empresas e de um pólo de investigação, de espaços verdes e de lazer, restaurantes e de um hotel, a par da requalificação das praias de Algés e Cruz-Quadrada/Dafundo - de forma a que tenham Bandeira Azul no futuro.


Numa área total de 64 hectares na foz do Tejo, o futuro Ocean Campus promete fazer a ligação entre Lisboa e o concelho de Oeiras, dentro da estratégia de voltar a ligar Portugal ao Mar sem ser apenas numa lógica de praia e sol. 


O projeto - apresentado esta segunda-feira, dia 22 de julho de 2019, numa cerimónia conjunta do Governo e das duas autarquias, durante a inauguração da nova “Ciclovia do Mar” - vai ser desenvolvido em três fases:


A primeira etapa da “nova Expo” irái custar 117,9 milhões de euros e deverá estar concluída em 2022. Serão construídos laboratórios para o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), residências temporárias para investigadores e centros de investigação, espaços de restauração, edifícios para empresas, assim como a futura Marina de Pedrouços, cujo concurso foi também lançado esta segunda-feira.


Na segunda fase, orçamentada em 152,2 milhões de euros e com data de conclusão agendada para 2026, vão nascer a Marina do Jamor, um hotel, um espaço empresarial e novos centros de investigação e a Blue Business School.


Por fim, a terceira e última etapa custará apenas 30 milhões e vai passar por pequenos arranjos externos e acessibilidades, que deverão estar finalizados até 2030.


O investimento será, sobretudo, suportado por privados (219 milhões de euros). Os restantes 25% vão ser de financiamento público-privado (76 milhões de euros), enquanto ao Estado caberá garantir, diretamente, uma fatia de 2%, no total de cinco milhões, estimando-se uma receita anual de 6,8 milhões de euros.


A ideia do Governo, de acordo com fontes oficiais, passa por criar um campus de Investigação, Desenvolvimento e Inovação (ID&I) internacional de atividades ligadas ao mar, bem como "agregar, sob a temática do mar, vários organismos, serviços e instituições públicas, pólos universitários, laboratórios de investigação, unidades âncora para desenvolvimento de novos modelos de relacionamento".


O projeto pretende ainda "criar uma zona embrião de 'startups', salas de reuniões, auditórios e zona de exposições", apostando-se também "na reabilitação da Doca de Pedrouços e dos armazéns da Docapesca".


Apesar das construções previstas, o espaço da zona ribeirinha ocidental de Lisboa, garantiu a ministra do Mar Ana Paula Vitorino, “não é para construir torres”. O objetivo é criar, através também de concessões privadas e investimento, espaços para uso público e que beneficiem a vida e experiência de quem vive e visita as zonas incluídas no projeto.


Importa aqui realçar a requalificação das praias da Cruz/Quebrada, Dafundo e Algés, há tantos anos esquecidas, e que já aqui tinham merecido a especial atenção (e reivindicação) do Viver Oeiras.


O processo de avaliação de impacto ambiental do Ocean Campus foi lançado a 5 de junho passado e os resultados ainda não são públicos.


Participe na plataforma www.viveroeiras.pt

Deixe o seu testemunho. Faça parte deste movimento.


Imagens: Internet


Autores:

Pedro Fonseca/Fernando Santos


442 visualizações
viveroeiras_004.png